segunda-feira, 2 de março de 2009
Olá, querido Abbá.

Não tenho tido grandes palavras a jorrar do meu coração para ti, ultimamente. Não que não tenha pensado em ti, não que não tenhas estado aqui a mimar-me, a ter-me no teu colo, não! Mas talvez porque nas nossas conversas eu me tenha tornado um pouco monótono, de palavras não-novas... e isto ata-me as mãos que me transformam em mudança!

É que eu estou a raciocinar enquanto te escrevo... escrevo que não temos estado separados, que temos falado, mas que tenho dito as mesmas coisas... mas se falamos, será que não é um monólogo? É que sinceramente, se falamos, que implica que eu te ouça... não tenho eu que sentir o coração a arder aqui dentro?? Claro que sim!

Está a acontrecer agora, Abbá, e estou a dar-me conta que o que te tenho dito, o que te tenho falado e os textos que tenho lido, são quase só por "respeito", porque já estou habituado à tua presença... Oh pah, és mesmo parvo, David !

E tu, esperaste. Esperas sempre ! porquê ?? não há um porquê mais bonito que o teu... que o teu "PORQUE SIM". Tu tens estado aí... Vejo agora, tu tens estado porque temos falado, mas eu não tenho ouvido o que me tens dito, porque tenho ouvido o que quero superficialmente ouvir de ti, quando tu estás é calado, à espera que eu me cale para olhares bem para mim e - mais uma vez nesse silêncio magnífico do teu olhar - me dizeres que estás aqui, continuas comigo. Para me dizeres que quando eu tiver as respostas todas na ponta da língua é sinal que preciso de me calar outra vez para deixar entrar novidade, outra vez.

Hoje és novidade. És Sempre! Mas, porra, digo-o tantas vezes sem me lembrar que o teu olhar me grita um "olha para o que estás a dizer!" ... não que seja mentira o que digo, AO CONTRÁRIO, é verdade, eu é que não vejo essa novidade que estou a apregoar! E eu não vejo sempre... Mas tu adoras ser "ao contrário", não é, Abbá? Adoras sorrir, manter-te à porta à espera que ta vá abrir, porque no teu Amor te é impossível impingires-te a mim se eu não te acolher... e esperas. E esperas, e fazes com que este sentimento de saber que estás aí seja infinitamente maior do que se me atasses a um poste e me dissesses "Vou-te Libertar!" e me mostrasses tudo isto... É em mim que começa.

E dás-eme foraça para me levantar, outra vez, e ir abrir-te a porta! Vamos, força! Estou a chegar, rodo a maçaneta e fico feliz, tudo o que eu estava à espera, acontece...

Está a arder aqui dentro, agora, meu querido Abbá, Papá que me leva pela mão sempre que me auto-vendo com medo de ver alguma coisa...

Espera.

Afinal há mais qualquer coisa, não é o que eu estava a espera. É infinitamente mais. Na verdade, é tudo o que eu nem sabia que existia. E sabe maravilhosamente bem.
 
por David a 2.3.09 | Permalink | 5 comentário(s)
terça-feira, 23 de dezembro de 2008
Toda a gente...


Nota-se a "antiguidade" desta música, do 3º cd dos Da Weasel, e nota-se como tão bem retrata quem somos muitas vezes. Aviso que esta letra já fez bem mais sentido, mas lembrei-me, e quis partilhar com vocês :)

aqui fica a letra:

Toda a gente critica o telemóvel do vizinho
Mas no fundo toda a gente queria ter um igualzinho
Toda a gente grita: todos diferentes todos iguais!
Mas se calhar há uns quantos bacanos a mais
Toda a gente quer ser solidária
Mas na hora da verdade toda a gente desaparece da área
Toda a gente quer ser muito moderna
Mas a tacanhez essa há-de ser eterna
Toda a gente quer fazer algo de original
Acabando por copiar aquilo que acham original
Toda a gente repara que acabo duas frases da mesma maneira
(se for esse o caso toda a gente caiu na ratoeira)
Apenas quero confirmar se estou a receber a devida atenção
Da parte de toda a gente que ouve essa canção
Toda a gente precisa de parar e relaxar um bocado
E eu, como toda a gente, já ‘tou stressado

Refrão:
Pego no microfone e faço disso o meu talento
Por fora, por dentro, mostrando o meu rebento
Superficial, composto, directo e indirecto
Tá-se cool e tá-se bem
Entrega-te ao meu som é agora o que convém

Toda a gente critica
Toda a gente tem muita pica,
Mas é na mesa do café que toda a acção fica,
Não há dinheiro que pague este sozinho…
Manda mas é vir mais um cafézinho

Toda a gente até compra camisa
Mas dessa treta ao fim ao cabo já ninguém precisa
Toda a gente fala da situação em Timor
Muitos para ganharem algo, e muito poucos por amor
Há quem costume falar de revolução
Mas a revolução não vai ser transmitida na televisão
Ela tem que acontecer dentro de cada um
Caso contrário nunca chegaremos a lugar algum
Há quem queira resolver os problemas do mundo inteiro
De uma só vez, confiante, tal e qual um bom escuteiro
Mas enquanto se perseguem tão nobres ideais
Esquecemo-nos de limpar os nossos quintais
Tentamos combater todos os males da terra
Quando afinal é na nossa casa que começa a guerra
Toda a gente devia parar de falar olhar para dentro e agir
Virgul – dá-lhe a seguir
 
por David a 23.12.08 | Permalink | 0 comentário(s)
sábado, 13 de dezembro de 2008
Traços de Amor

A partir de hoje, disponível ao público e completamente gratuita, a minha história (e que me sirvo de todos os meios que encontro para publicitar, eheheh) "Traços de Amor", que inglóriamente não ganhou, mas porque perderam a história, com certeza ! :P

É só clicar na imagenzinha cinza e vermelha ai do ladinho direito, sim? Essa, que as maozinhas formam um coração. Não a grande por cima do texto, não se armem em espertos :P A cada dia, um novo capítulo, a não perder.

Espero os vossos comentários.
http://tracosdeamor.blogspot.com/
 
por David a 13.12.08 | Permalink | 1 comentário(s)
sexta-feira, 5 de dezembro de 2008
The story...
videoNão resisti a ocupar um bocadinho do meu tempo...e aqui vai um bocadinho de nós! A quem falta imagens é porque não consegui encontrar no Hi5:p... Espero que gostem..=) Aos que faltam as minhas maiores desculpas! E foi com saudade que "desenhei" os rostos da nossa história. Como a própria letra diz: "Todas essas linhas que contornam a minha cara. Contam a história de quem eu sou. Tantas histórias sobre onde estive. E como eu cheguei onde aqui estou." =)
 
por Maria a 5.12.08 | Permalink | 5 comentário(s)
quinta-feira, 4 de dezembro de 2008
Experiência
Olás=)

Como alguns sabem eu tenho estado a acompanhar o 9ºano de catequese aqui da paróquia. Talvez porque o meu tempo é dividido entre isso e explicações tenho dedicado bastante tempo à preparação daquela horinha e tem saído de lá de coração mais que cheio. E partilho convosco que esta quarta-feira foi daquelas catequeses em que me senti completamente catequisada. Sabem quando acham que têm tudo preparado e tudo escrito para dizer e chegam lá e puff...eles dizem muito mais?! Foi mesmo isso. Tínha-me comprometido a falar sobre o advento, sobre os símbolos, sobre a lógica da preparação para este Deus Amor que precisa de nascer bem cá dentro, bem dentro de cada um. E fomos fazendo uma caminhada, fomos construindo a nossa coroa do advento, fomos acendendo as nossas velas, fomos olhando para algumas coisas do homem velho e pensando nas transformações que o nascimento deste Bom Deus pode trazer para a construção do Homem Novo. E digo-vos, hoje mastiguei tanto do que saíu dali. Tantas palavras bonitas, doces e meigas. Depois de uma sexta passada em que infelizmente percebi que nos perdemos e possivelmente não mais nos encontraremos, só vos digo...ainda vale a pena deixarmos que ele Nasça e na minha opinião precisamos tanto dos outros para que isso aconteça...!Tinhamos preparado, para sexta, um copinho com um feijão dentro e a proposta era nos comprometermos em faze-lo nascer, tal como a nós mesmos na nossa caminhada. Tratar dele como Alguém trata de nós! Sabem o que fizemos? Escrevemos o nome de cada um de nós nos copos...e temos tratado deles. E acreditem temos-lhes dedicado muito do nosso tempo, muito do nosso amor! Porque eu queria continuar a acreditar que nós ainda existimos! Será que nos conseguiremos reencontrar?
 
por Maria a 4.12.08 | Permalink | 0 comentário(s)
quarta-feira, 19 de novembro de 2008
Pensamento!

Bons dias, tardes ou noites dependendo da hora a que estão a ler!
Hoje passei por cá e reparei que ja ha alguns dias que estamos parados.
Onde estamos? O que queremos? O que nos faz crescer? Queremos caminhar ou ficar sentados? Queremos o facilitismo ou gostamos de lutar pelo que amamos? Somos ou não somos Fonte de Evangelização?
Sei que há momentos difíceis mas já estamos a fraquejar há muito tempo! Nós somos melhores que isto! Porque não nos coloca-mos a caminho! Porque não fazemos deste meio e de muitos outros que temos uma boa fonte para Evangelizar! Talvez esteja-mos a começar pelo lado errado! Talvez haja muita falta de confiança! Não sei porque é que esta confiança se perdeu!
Vamos mudar de atitude! Vamos ser algo mais! Vamos saber admitir quando algo resulta ou não! Só nesta atitude de dialogo é que podemos por-nos a caminho e juntos conseguir algo mais!
ABRAÇOS E BEIJOS GJ!
 
por André a 19.11.08 | Permalink | 0 comentário(s)
sábado, 8 de novembro de 2008
Suricatas



"Cava-cava-ca-ca-va'o tunel
Vamos ver se a hiena vem!"

Os Suricatas têm muito este hábito, viver escondidos...
Mas sim, eles têm alguma razão, estão um bocado em baixo na cadeia alimentar! :D

Mas pergunto: na nossa espiritualidade, não será altura de voltarmos a olhar o mundo de frente? :)

Vá lá... Ainda precisamos de estar com tanto medo de proclamar este amor aos sete ventos que escondemos estas exclamações debaixo do chão da nossa vida? Não precisamos, pois não? Está na altura de gritar: DEUS É AMOR E EU SOU POR ELE! QUERO-O, VIVO-O! NÃO SOU PERFEITO, MAS ESTOU DISPOSTO A SER MAIS, POR TODO ESTE AMOR!
 
por David a 8.11.08 | Permalink | 2 comentário(s)